Melhor Tipo de Carne para Saúde – Boi, Frango ou Porco?



Saiba aqui qual é o melhor tipo de carne para a saúde.

Segundo a Organização para Economia, Cooperação e Desenvolvimento (OECD), o consumo de carne por brasileiro no ano passado foi de 51,7% de aves (40,3 kg), 32,7% de carne bovina (25,5 kg) e apenas 15,6% de carne suína (12,2kgs). Os preços envolvidos e a idéia de menos gordura no frango podem ter contribuído com isso, mas você sabe escolher a melhor opção dessa culinária?

Vamos começar falando do frango, já que mais da metade dos brasileiros consumiram mais essa proteína animal, que, aliás, é por volta das 27gramas de gordura, a cada 100 gramas da carne branca.



O corte do peito do frango é muito cobiçado por quem está atrás de baixa quantidade de gordura, sendo muito útil para pessoas que estão fazendo regime ou se precavendo dos quilinhos a mais. Muito utilizado em lanches e em strogonoff, a parte do peito da ave acaba não sendo tão suculenta quanto a coxa e a sobrecoxa, deixando esse corte mais “gorduroso” para as pessoas com outro gosto.

O frango, em especial o peito, tem proteína de alto valor biológico, contendo todos os aminoácidos essenciais para as nossas necessidades orgânicas. Essa opção culinária oferece vitaminas do complexo B, é rico em ferro, selênio e fósforo.



O tipo de preparo pode influenciar nos nutrientes, não só do frango, mas de qualquer alimento, principalmente quando temos muita caloria e aquela queimadinha acontece. Cuidado com isso!

A verdade é que o frango pode ser assado inteiro, frito numa porção de bar e até a parte da carcaça, (costas e costela) pescoço, pé e miúdos, são ótimos para uma sopa. Particularmente, no interior, já comi ensopado de cabeça de galinha, mas aquelas caipiras criadas no “terrero”.

Leia também:  Dengue - Transmissão, Sintomas, Cuidados

Um detalhe para uma receita bem nutritiva, o pé de frango, cozido, ele oferece muito tutano e colágeno. Para temperar, muitas pessoas usam alho, ervas e condimentos variados, depende muito da região de preparo, mas o gengibre, com moderação, pode surpreender.

Vamos agora para a carne vermelha, em especial, a bovina. Por incrível que pareça, uma mesma parte do boi, ou vaca, tem mais de um tipo de corte e preparo. Como é o caso da costela, apesar de ser uma carne mais dura do que muitas tradicionais em churrascos, quem aí já não comeu a famosa “costela gaúcha”, “costela no bafo” ou “vaca atolada”?

Na parte nutritiva, vou começar falando da “L-carnitina”, onde estudos mostram uma redução de 27% na mortalidade de pessoas com insuficiência cardíaca que consumiram carne bovina. Para quem tem diabetes do tipo 2, a L-carnitina melhora os níveis de glicemia quando a pessoa está em jejum. Essa substância que contém na carne vermelha ajuda até na perda de peso.

A carne bovina fornece ainda glutathione, cálcio, cobre, ferro, magnésio, manganês, potássio, fósforo, selênio, zinco, vitaminas e vários aminoácidos.

Para temperar, alguns cortes pedem apenas sal grosso, outras, cada pessoa e região de preparo, irão decidir.

Basicamente, somente o coro não é comestível, pois da língua ao rabo, podemos achar receitas!

Em terceiro, o porco! Hoje, ele está bem mais magro que antes, pois a preocupação com os seus males, como é o caso do colesterol, fizeram com que autoridades criassem normas para baixar as taxas maléficas.

O mito do suíno não ser uma boa opção para o consumo, está caindo depois que foram mostrados os benefícios do seu consumo. Ele possui todos os nove aminoácidos que precisamos para crescer e manter o nosso corpo saudável, vitaminas do complexo B, tiamina, selênio, zinco, niacina, glicina, fósforo, ferro, magnésio, potássio, riboflavina, creatina, taurina, glutationa, colágeno e até o chamado “colesterol bom”. Alguns estudos até falam sobre usar a gordura animal no lugar do óleo vegetal, igual naquele nosso interior, onde a banha do porco fica em latas, junto com pedaços de carne fritas por ela.

Leia também:  Cuidados com a Alimentação do Idoso

A versatilidade do suíno é tão grande, que até a tripa tem mais de uma serventia, comer frita, ou usar com embutidos.

Para temperar vale a regra pessoal já mencionada antes, mas você já experimentou usar alecrim?

E então, já decidiu qual dos três vai para a mesa?

Ótimo, agora só faltam os acompanhamentos e “mão na massa”.

Saladas de verduras ou legumes, aquele arroz branco, para quem bebe vinho, tinto para boi e porco e branco para o frango, e o do tipo seco é o recomendado pelos especialistas.

Aqui não foi mencionado o ovo, frutos do mar e peixes, mas também devem ser pensados.

Do mais, tirando algumas pessoas que não comem carne animal, bom apetite!

Por Fernando Dias

Próximo Post

Não há mais posts

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *